Rocinha ganha centro de reciclagem e arte

A comunidade da Rocinha ganhou um local totalmente voltado para o meio ambiente e a cultura no dia quatro de julho. O espaço De Olho no Lixo foi inaugurado em uma área onde antes havia um lixão. A iniciativa é da Secretaria de Estado do Ambiente que vem mobilizando e conscientizando os moradores sobre a importância de preservar o meio ambiente e dar destino certo ao lixo da região.

O Espaço De Olho no Lixo fica próximo à Quadra da Roupa Suja, e abriga uma cooperativa de Reciclagem, a “Rocinha Recicla”, o projeto “Eco Moda” e a escola de possibilidades sonoras – “Funk Verde.

No local, o programa De Olho no Lixo, da Secretaria de Estado do Ambiente, vai incentivar a transformação da cultura do lixo para a cultura do resíduo, com geração de renda, produção artística, comunicação e educação ambiental. É a casa da Cultura e do Meio Ambiente. Foram um ano e quatro meses de transformação. Quem mora na Roupa Suja e no Lajão é testemunha. Um espaço degradado virou um local de meio ambiente, de cultura e de geração de renda e trabalho. O que antes era jogado fora ou ia parar na Praia de São Conrado, agora vai virar emprego e geração de renda. O espaço tem três coisas muito legais, a cooperativa, o Funk Verde, que faz música com todo o material reciclado, e o Eco Moda, que transforma o lixo em moda.

A Cooperativa Rocinha Recicla é formada pelos agentes socioambientais do programa De Olho no Lixo, todos moradores da comunidade. A Rocinha Recicla vai realizar o serviço de coleta e destinação adequada dos resíduos recicláveis gerados pela comunidade.

A cooperativa vai funcionar em um esquema de autogestão. Os cooperados irão planejar e executar Coleta Seletiva na comunidade. Eles vão sensibilizar os moradores, para que façam a separação dos resíduos em suas casas e, só depois disso, passarão de porta em porta coletando regularmente apenas o que for reciclável. O material é levado para um galpão na sede da cooperativa, passando por uma triagem. Depois, será prensado e armazenado no local até o momento da venda. Todo o trabalho será acompanhado por assessores técnicos.

O material que chegar à cooperativa também vai ser reaproveitado durante as oficinas de arte-educação – Eco Moda e Funk Verde – atividades complementares do programa De Olho no Lixo. Instrumentos musicais, roupas e acessórios são criados a partir deste material entregue por moradores e comerciantes.

“A sede é muito importante para o projeto. Este local vai trazer mais pessoas para o Eco Moda e vamos poder sensibilizar mais moradores sobre a importância do reaproveitamento das roupas velhas e usadas, que são transformadas em novas peças e acessórios. Não deixem de doar, principalmente jeans”, afirmou o coordenador do Eco Moda, Almir França.

A doação dos resíduos também é fundamental para o Funk Verde, a oficina de possibilidades sonoras do programa. O material que chega é reaproveitado e transformado em instrumento musical. Há alunos em turmas básicas e avançadas.

“Se cada um fizer a sua parte, o meio ambiente agradecerá. Além de ajudar a preservar o ambiente, quem vem ao Funk Verde também pode se transformar em músico. Quem sabe daqui não sai um grande talento?”, disse a coordenadora do Funk Verde, Regina Café.

No Espaço De Olho no Lixo, a Rocinha também ganhou uma obra de um dos pioneiros do grafite carioca, que deu forma e vida às ações realizadas pelo programa De Olho no Lixo na comunidade.

Trinta e seis metros de telhas de alumínio receberam a arte do grafiteiro Carlos Esquivel, o ACME. Nascido e criado na comunidade do Pavão-Pavãozinho, sede do museu e do centro cultural fundados por ele, ACME é autodidata e desenvolveu sua identidade artística a partir do olhar da favela para o mundo.

A obra retrata o programa, mostrando o trabalho dos agentes socioambientais que coletam resíduos e as oficinas de capacitação que reaproveitam o material, como o Eco Moda, voltado para a confecção de roupas e acessórios e o Funk Verde, de formação musical.

O programa De Olho no Lixo age de forma integrada em ações para a redução do descarte irregular de resíduos sólidos e seus impactos, com o objetivo de sensibilizar a consciência ambiental nos moradores das áreas onde atua.

Somente na Rocinha, foram retiradas 624 toneladas de lixo das regiões conhecidas como Roupa Suja e Lajão no período de maio de 2016 a maio de 2017.

O programa De Olho no Lixo tem como objetivo deixar um legado de iniciativas sustentáveis, com utilização de tecnologias sociais implantadas em unidades escolares e nas comunidades, por meio das redes de serviços existentes.

O programa De Olho no Lixo Rocinha é fruto de cooperação técnica entre a Secretaria de Estado do Ambiente (SEA), Instituto Estadual do Ambiente (INEA) e o Viva Rio Socioambiental, com recursos da Associação dos Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (Asserj).

 

Fonte: Ascom SEA/INEA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *