Sessão Juvenil na Câmara do Rio

A garotada tomou conta do plenário do Palácio Pedro Ernesto, na Câmara de Vereadores do Rio, na última segunda-feira (9).  O vereador Italo Ciba (Avante) promoveu a 5ª Sessão Extraordinária Juvenil, com a participação de 50 alunos dos colégios Realengo e Prioridade Hum (Padre Miguel), Futuro Vip (Vila da Penha), Ênfase (Padre Miguel) e Colégio Estadual Professor José Accioli (Marechal Hermes).

Exercendo o papel de vereadores, os estudantes apresentaram, defenderam e votaram no plenário da câmara dez projetos. Entre os projetos, apenas três foram rejeitados pelos vereadores mirins. O vereador Italo Ciba ficou surpreso e feliz com a participação dos estudantes.

Sessão Juvenil
Vereador Ítalo sorri ao ouvir debate entre vereadores mirins

“Os estudantes se mostraram interessados, vieram preparados para o debate. Agora vamos analisar os projetos aprovados, fazer emendas e mudanças que sejam necessárias e há a possibilidade de apresentá-los aqui na Câmara”, afirmou Italo Ciba, acrescentando que todos mostraram gostar de política e vários podem vir a ser futuros vereadores.

Na galeria, um grupo de alunos do Colégio Realengo mostrou cartazes de apoio ao projeto de lei que propunha a presença de psicólogos em clínicas da família para atender à população. Ludmylla Gomes pediu a palavra em discussão e argumentou que o projeto dos psicólogos nas clínicas ajudará na identificação de doenças mentais e até físicas. “Poderão auxiliar em casos de gravidez precoce e na prevenção de abortos”, enumerou a vereadora mirim.

Depois de muito debate com vereadores mirins contrários à proposta, o projeto foi aprovado.  O outro projeto, que tratava da aplicação de disciplinas de educação ambiental, também passou com ampla maioria.
A polêmica surgiu novamente quando os vereadores mirins do Colégio Vip defenderam que escolas públicas e particulares fossem obrigadas a criar e manter grêmios estudantis.  O projeto foi encaminhado por Dandara Rangel e vários colegas se revezaram nos microfones de discussão.

Um estudante lembrou que o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) já lhes dá autonomia para criar grêmios e que isso não deve ser algo imposto. O projeto foi rejeitado pela maioria.

Passou o projeto, também do Colégio Futuro Vip, que determina que os estudantes do ensino fundamental II tenham aula de educação financeira e propõe que a disciplina seja ministrada por professores de matemática e geografia.

Os representantes da escola Prioridade Hum, em Padre Miguel, conseguiram aprovar o projeto de mudança da lei orgânica que determina a criação de um aplicativo que permita o acesso a informações sobre o município em tempo real.

É difícil encontrar alguém que nunca precisou de aulas de reforço escolar para compreender melhor o que os mestres ensinam no colégio. Pensando nesses alunos, os vereadores do Colégio Ênfa

Sessão Juvenil
Na escadaria fazendo festa com moções

se e também do Colégio Estadual José Accioli apresentaram projetos onde se determina que a rede municipal ofereça reforço escolar durante o ano aos estudantes com baixo rendimento e déficit de atenção.

A grande diferença está no fato de que o grupo do Colégio José Accioli, integrante do curso de Formação de Professores, defendeu a parceria do município com o estado para que escolas de formação de professores ofereçam apoio e reforço escolar nas unidades de ensino municipal. Ambos os projetos foram aprovados.

A temperatura subiu ao máximo quando os vereadores mirins do Colégio Estadual Professor José Accioli encaminharam o projeto que tratava da proibição da exposição e venda de fantasias parecidas com uniforme escolar em sexy shop. Houve muito debate, mas ao final, até uma vereadora que tinha pedido a fala para discordar do projeto acabou votando com os autores.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa

Fotos: Lucas Fernandes – CMRJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *